Integração entre mercados latino-americanos é a maior aposta para os negócios no pós-Covid

Avaliação foi feita por CEOs do World Trade Center no Brasil, México, Colômbia e Peru em live realizada pelo WTC Curitiba

Integração entre os países latino-americanos e os mercados internacionais foi um ponto bastante destacado pelos especialistas

A integração dos mercados latino-americanos, bem como das iniciativas conjuntas e parcerias estratégicas em busca de outros mercados internacionais, é uma das grandes apostas para 2021 no panorama de negócios internacionais pós-Covid-19. A estimativa foi feita por quatro executivos CEOs do World Trade Center (WTC) no Brasil, México, Colômbia e Peru, reunidos em uma live promovida pelo WTC Curitiba e Joinville. A mediação foi feita pelo economista Carlos Ronderos, ex-ministro de comércio exterior da Colômbia e diretor executivo do WTCA para a América Latina – entidade internacional que coordena os mais de 326 escritórios da marca no mundo.

A live “LATAM: Oportunidades de Investimentos na Região Pós-pandemia”, disponível na íntegra no canal do Youtube do WTC Curitiba, trouxe os panoramas locais de cada uma das cidades ali representadas: Lima, no Peru, com Juan Carlos Mathews; Cartagena, na Colômbia, com Juan Pablo Velez; Guanajuato e Nuevo Laredo, no México, com Jorge Acevedo; e Curitiba e Joinville, com o anfitrião Josias Cordeiro.

“Os cenários de cada país se assemelham em setores como os de infraestrutura e investimentos em tecnologia e inovação, em face do panorama de retomada econômica e início do governo Joe Biden, nos Estados Unidos, que trazem boas expectativas de negócios no comércio exterior para a América Latina em 2021”, diz Cordeiro.

O executivo acrescenta que, em comparação com os outros países representados no debate, o Brasil precisa avançar em seu ambiente de reformas para garantir uma melhora na estabilidade econômica e política. “Também temos de aprimorar os tratados internacionais, algo que o WTC encara como uma de suas missões. No WTC Curitiba e Joinville, temos um programa bastante ativo para incentivar a competitividade das empresas da região Sul do Brasil, a segunda mais relevante do país, com um PIB de US$ 190 bilhões e uma população de 32 milhões de habitantes.”

Tratados internacionais
A integração entre os países latino-americanos e os demais mercados internacionais foi um ponto bastante destacado pelos especialistas, que enfatizaram os tratados de livre comércio existentes em seus países. “O Peru possui atualmente 23 tratados comerciais internacionais. No ranking Global Competitiviness Index, do Banco Mundial, ocupamos a 65ª posição entre 141 países. Nossa estabilidade macroeconômica é apontada como a maior vantagem. Chile, Peru, México e Colômbia são as economias mais abertas da região, as quatro mais bem ranqueadas pelas avaliadoras internacionais de riscos Standard & Poors, Fitch Ratings e Moody’s. O Brasil vem na sequência, na 8ª posição”, destaca Juan Carlos Mathews, do WTC Lima.

Já Jorge Acevedo apresentou aspectos do cenário mexicano, enfatizando que o WTC Nuevo Laredo mantém projetos para atender a demanda trazida pela retomada econômica dos países latinos por meio da fronteira com os Estados Unidos, que atrai oportunidades em produtos e serviços. “Muitas vezes pensamos que conhecemos uns aos outros na região pelo fato de sermos latinos, mas sempre há algo mais a descobrir sobre cada país. O México conta com 12 tratados de livre comércio firmados com 46 países. Desde julho, temos um novo tratado de livre comércio, o USMCA, que substitui o Nafta. O comércio total entre México e EUA, somando exportações e importações, subiu para US$ 337 bilhões entre janeiro e agosto de 2020, o que alçou o México como principal parceiro comercial norte-americano no corrente ano.”

Conhecida por ser um polo turístico, Cartagena tem uma indústria de logística pulsante, com várias multinacionais instaladas. “Somos um país resiliente e temos um governo comprometido com fechamento de negócios e parcerias, cultivando a estabilidade política e econômica. A estimativa é de que o PIB da Colômbia cresça entre 3,6% e 4% em 2021, cenário bastante favorável para investimentos estrangeiros, principalmente em hubs, por nossa localização estratégica de conexão entre a América do Sul e a Central, além dos Estados Unidos. Nosso país conta ainda com um ecossistema tecnológico bem desenvolvido, essencial para o ‘novo normal’, com 98% de seus municípios conectados por fibra ótica”, ressalta Juan Pablo Velez.

Internacionalização
Feita em inglês, a live “LATAM” foi o primeiro evento do tipo do WTCA na América Latina, dentro na missão do WTC Curitiba e Joinville de promover um ambiente propício à competividade das empresas brasileiras. As informações apresentadas pelos participantes trazem dados sobre o panorama latino para as empresas interessadas em internacionalização e estão disponíveis no canal do Youtube do WTC.

Similares

Advertisment

Popular

Ex-médico gato da Globo é vacinado ao vivo na CNN Brasil

Fernando Gomes é vacinado contra a Covid-19 e CNN Brasil exibe ao vivo (Imagem: Reprodução / CNN Brasil) Ex-médico gato do Encontro, da Globo, o...

Neto diz que fica brocha quando Palmeiras goleia Corinthians e vira alvo de torcedor

Neto desabafa após Corinthians ser goleado pelo Palmeiras (Imagem: Reprodução / Band) Neto fez confissões inesperadas durante Os Donos da Bola pós-goleada do Palmeiras contra...

Record surpreende com série cancelada e reprise de Topíssima

Felipe Cunha (Antônio) e Camila Rodrigues (Sophia) em Topíssima; Record suspende série internacional e anuncia reprise de novela (Imagem: Divulgação / Record) A Record surpreendeu...