Ford encerra sua produção no Brasil

Montadora fechará três fábricas no país

Ford teve de pagar R$ 216 milhões ao Rio Grande do Sul em 2016

A montadora Ford anunciou nesta segunda-feira (11) que fechará suas fábricas no Brasil. Serão fechadas as plantas de Camaçari (BA) e Taubaté (SP). Será mantida apenas por alguns meses a produção de peças para suprir o estoque de pós-venda. A fábrica da Troller, em Horizonte (CE), será fechada no último trimestre de 2021. A multinacional manterá apenas o Centro de Desenvolvimento de Produto, na Bahia; o Campo de Provas, em Tatuí (SP); e sua sede regional em São Paulo. O mercado nacional será abastecido com veículos produzidos, principalmente, na Argentina e no Uruguai, países cujas operações da empresa não serão afetadas. A montadora encerrará as vendas dos modelos EcoSport, Ka e T4 assim que terminarem os estoques.

A justificativa é a crise gerada pela pandemia que atinge o mundo desde o início de 2020. Segundo a Ford, a pandemia da Covid-19 ampliou a persistente capacidade ociosa da indústria e a redução das vendas, resultando em anos de perdas significativas. “A Ford está presente há mais de um século na América do Sul e no Brasil e sabemos que essas são ações muito difíceis, mas necessárias, para a criação de um negócio saudável e sustentável”, disse Jim Farley, presidente e CEO da Ford.

A companhia não informou qual será o número de funcionários demitidos, disse apenas que trabalhará com os sindicatos, nossos funcionários e outros parceiros para desenvolver medidas que ajudem a enfrentar o difícil impacto desse anúncio. Porém, dados preliminares dão conta que serão aproximadamente 5 mil vagas cortadas em todo o Brasil.

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), por meio de no-ta, declarou que não iria fazer comentários sobre o tema, pois trata-se de uma decisão estratégica global de suas associadas. “Mas isso corrobora o que a entidade vem alertando há mais de um ano sobre a ociosidade local, global e a falta de medidas que reduzam o custo-Brasil”, reiterou a Anfavea.

Indenização
O Estado do Rio Grande do Sul e a Ford chegaram a um acordo de indenização em 2016. O pacto estabeleceu o pagamento de R$ 216 milhões pela montadora ao cofre gaúcho. O processo, ajuizado em fevereiro de 2000, se refere à indenização pedida pelo ex-governador Olívio Dutra (PT) devido à desistência da empresa de instalar uma fábrica de automóveis em Guaíba. A Ford tinha recebido a primeira das parcelas relativas a um financiamento de R$ 210 milhões estabelecido com o Banrisul, além de o governo ter investido na área que receberia a montadora, quando decidiu levar a fábrica para a Bahia. Em primeira instância, a montadora deveria pagar mais de R$ 160 milhões ao Rio Grande do Sul (o valor poderia passar da casa do bilhão, se corrigido). Após o Tribunal de Justiça, que estimou um valor de indenização de R$ 22,7 milhões (não corrigidos), o caso foi para julgamento no STJ.

Com Agência Brasil

Similares

Advertisment

Popular

BC iguala limite do Pix ao das transferências eletrônicas

Para compras, passará a valer limite do cartão de débito

Balança comercial tem superávit de US$ 1,1 bilhão em fevereiro

Resultado é o mais baixo para o mês em sete anos

Confiança deixa de ser homogênea entre os segmentos da indústria

ICEI teve resultados setoriais difusos em fevereiro