Setor calçadista deve crescer 19% no próximo ano

A principal pauta em 2021 é a renovação e ampliação do antidumping

Indústria calçadista deve encerrar o ano com a perda de aproximadamente 20 mil postos de trabalho

Dependente do mercado doméstico, para o qual são destinadas mais de 85% das vendas setoriais, a indústria calçadista viu sua produção despencar 27% (até outubro, conforme dados do IBGE). Para o final do ano, a projeção é de que a queda fique em torno de 25%, fazendo com que o setor retorne ao patamar produtivo de 16 anos atrás, na faixa de 650 milhões de pares. A retração, conforme a Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), é influenciada também pelas exportações de calçados, que até novembro caíram 19,4% (para 84,4 milhões de pares).

O presidente-executivo da Abicalçados, Haroldo Ferreira, evidencia que a crise sanitária afetou severamente a indústria calçadista, que deve encerrar o ano com 250 milhões de pares a menos e com a perda de aproximadamente 20 mil postos de trabalho. “Existe uma tendência de recuperação verificada nos últimos meses. Para o início do próximo ano, a tendência é essa, ainda mais levando em consideração a vacinação e a normalização do comércio físico, do qual ainda somos dependentes”, explica o executivo, ressaltando que a previsão é de um crescimento de 19% ao longo de 2021, portanto com o setor ainda encerrando o próximo ano abaixo dos registros de 2019. “Ou seja, se empatarmos com 2019, será apenas em 2022”, projeta Ferreira.

Ferreira conta que o ano só não foi pior devido a algumas medidas de estímulos adotadas pelo governo federal, caso da MP 936, que permitiu a preservação de empregos através da flexibilização das jornadas e suspensões temporárias de contratos de trabalho, e da desoneração da folha de pagamentos, que permitiu que as empresas continuassem substituindo o pagamento de 20% sobre a folha de salários por 1,5% da receita bruta, excluindo as exportações. “Essas iniciativas foram fundamentais. O ano poderia ter sido muito pior do que foi”, avalia.

Antidumping
A principal pauta para o setor em 2021 é a renovação e ampliação do direito antidumping, que atualmente é aplicado contra calçados importados da China com o objetivo de garantir a concorrência leal no mercado interno brasileiro. A sobretaxa, atualmente em US$ 10,22 por par importado da China, vence em março de 2021. Além da renovação da medida, a Abicalçados está pleiteando a ampliação do direito para Vietnã e Indonésia, países que também utilizam o dumping para competir nos seus principais mercados, caso do Brasil.

A medida é vista como fundamental para garantir a concorrência leal no mercado interno brasileiro, ainda mais diante do atual cenário, em que os países asiáticos já voltaram aos patamares produtivos pré-crise e devem aumentar suas exportações de produtos altamente subsidiados ao longo do próximo ano.

Similares

Advertisment

Popular

Atividade econômica avança 2,5% no Sul no quarto trimestre

O BC alerta que a trajetória na região pode ser impactada pela ampliação dos casos de Covid-19

Produção de veículos cai 3,5% em fevereiro

É o pior resultado para o mês desde a crise de 2016

Produção industrial registra nona alta consecutiva

Indicador cresceu 0,4% em janeiro