Sul melhora em previdência, mas ainda está próximo do vermelho

Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul receberam nota C em classificação do governo federal

Catarinenses e gaúchos avançaram desde a última avaliação, publicada em julho

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia divulgou a atualização do novo Indicador de Situação Previdenciária dos Regimes Próprios de Previdência Social (ISP-RPPS) dos Estados, Distrito Federal e municípios. A base de dados contempla o ano de 2019. Eles foram classificados em quatro níveis ou notas (A, B, C e D). O novo índice apresenta três dimensões ou aspectos avaliados: gestão e conformidade, situação financeira e situação atuarial. O objetivo foi facilitar a compreensão dos indicadores e estimular a melhoria do sistema. Para cada indicador parcial, é conferida uma nota A, B ou C e o indicador final resulta da combinação das notas dos indicadores parciais.

O quadro é muito preocupante, pois apenas um Estado foi contemplado com a maior nota (A): o Amazonas. Paraná, Santa Catariana e Rio Grande do Sul receberam classificação C. Catarinenses e gaúchos avançaram desde a última avaliação, publicada em julho. Na oportunidade, a nota era D, digna de um boletim vermelho (veja todo o quadro com as diferentes classificados, com as notas de cada Estado do Brasil nos diferentes indicadores).

Dois bons resultados ajudaram a elevar a classificação da previdência paranaense. O Estado elevou suas notas em gestão e transparência (de C para B) e atuária (de C para A). Porém, em liquidez a nota despencou de B para C. Já o Rio Grande do Sul teve a nota elevada de C para B em transparência e no quesito atuarial. O Estado manteve a classificação B e liquidez. Santa Catarina, por sua vez, manteve todas as notas do levantamento passado (B em transparência e liquidez; e C em atuária). Ainda segundo o estudo, dos 1.192 municípios do Sul, quase metade (48,5%) dá cobertura previdenciária a seus servidores públicos de cargos efetivos.

O Paraná e o Rio Grande do Sul endureceram critérios de aposentadoria e elevaram as alíquotas de contribuição previdenciária de servidores. Já Santa Catarina apenas elevou a alíquota. O Rio Grande do Sul aprovou a reforma da previdência no ano passado. De acordo com cálculos do Palácio Piratini, sede do governo gaúcho, a economia com a previdência dos servidores, em uma década, será de R$ 18 bilhões. Clique aqui para acessar o estudo completo.

Seu navegador não oferece suporte ao visualizador de PDF
Baixe o arquivo PDF aqui

Similares

Advertisment

Popular

O ar que me falta

Três razões tornaram a leitura do livro de Luiz Schwarcz uma experiência fulminante

BC estende acordo com Fed até fim de setembro

Contrato especial de swap vigorará por mais seis meses

Governo do RS divulga os primeiros vencedores do edital Techfuturo

Programa investirá R$ 5,6 milhões em 37 iniciativas