Banco Mundial prevê salto de 4% no PIB global em 2021

Em relatório semestral, entidade também alertou para riscos negativos

O aumento das infecções por Covid-19 e atrasos na distribuição das vacinas podem limitar a recuperação para apenas 1,6% neste ano

A economia global deve crescer 4% em 2021 depois de encolher 4,3% em 2020, anunciou o Banco Mundial nesta terça-feira (5), embora tenha alertado que o aumento das infecções por Covid-19 e atrasos na distribuição das vacinas podem limitar a recuperação para apenas 1,6% neste ano. A previsão semestral da entidade mostrou que o colapso na atividade devido à pandemia do novo coronavírus foi ligeiramente menos grave do que o previsto anteriormente, mas a recuperação também estava mais moderada e ainda sujeita a consideráveis riscos negativos.

“A perspectiva de curto prazo permanece altamente incerta”, afirmou o Banco em seu comunicado. “Um cenário negativo em que as infecções continuem a aumentar e o lançamento de uma vacina seja adiado pode limitar a expansão global a 1,6% em 2021”, reitera o documento. Com o controle bem-sucedido da pandemia e um processo de vacinação mais rápido, o crescimento global pode acelerar para quase 5%. Mais de 85 milhões de pessoas foram infectadas pelo novo coronavírus e quase 1,8 milhão morreram desde que os primeiros casos foram identificados na China, em dezembro de 2019.

A pandemia deve ter efeitos adversos duradouros na economia global, agravando uma desaceleração já projetada antes do início do surto, e o mundo pode enfrentar uma “década de decepções com o crescimento” a menos que reformas abrangentes sejam implementadas, projeta o Banco Mundial. Contrações mais superficiais nas economias avançadas e uma recuperação mais robusta na China ajudaram a evitar um colapso maior na produção global geral, mas as interrupções foram mais agudas na maioria dos outros mercados emergentes e economias em desenvolvimento, disse o órgão.

O PIB agregado de mercados emergentes e economias em desenvolvimento — incluindo a China — deve saltar 5% em 2021, após uma contração de 2,6% em 2020. A economia da China deve expandir 7,9% este ano, depois de subir 2% em 2020. Excluindo o gigante asiático, os mercados emergentes e as economias em desenvolvimento devem apresentar alta de 3,4% em 2021, após contração de 5% em 2020.

A renda per capita caiu em 90% dos mercados emergentes e economias em desenvolvimento, levando milhões de volta à pobreza, com a redução da confiança do investidor, o aumento do desemprego e a perda de tempo de educação diminuindo as perspectivas de redução da pobreza no futuro. De acordo com o relatório, a crise também desencadeou aumento nos níveis de dívida entre os mercados emergentes e economias em desenvolvimento, com a dívida do governo saltando 9 pontos percentuais do PIB, o maior ganho anual desde o final dos anos 1980.

“A comunidade global precisa agir rápida e vigorosamente para garantir que a última onda de dívida não termine com crises de dívida”, alerta o relatório, acrescentando que as reduções nos níveis da dívida seriam a única maneira de alguns países voltarem à solvência. O ressurgimento de infecções paralisou uma recuperação nascente nas economias avançadas no terceiro trimestre, com a produção econômica desses países agora devendo subir 3,3% em 2021, em vez de 3,9% como inicialmente previsto, informa o órgão.

O Banco Mundial projeta que o PIB dos EUA vai expandir 3,5% em 2021, depois de contração estimada de 3,6% em 2020. A Zona do Euro deve registrar crescimento da produção de 3,6% este ano, depois de queda de 7,4% em 2020.

Com Agências Brasil e Reuters 

Similares

Advertisment

Popular

Saiba o que é glomerulonefrite

O Doutor Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes é médico urologista, graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e doutorado pela Universidade...

Sul eleva participação no PIB industrial em uma década

Índice avançou 2,4% no período, de acordo com estudo da CNI O Paraná é o terceiro estado com...

Mercado aumenta previsão de crescimento da economia

Estimativa de expansão passou de 3,21% para 3,45%, neste ano A expectativa para a cotação do dólar caiu...