Maradona, o espírito da nação portenha

Não há discussão mais ridícula do que levá-lo a uma balança com Pelé, Garrincha, Di Stéfano e Messi para que se meça quem foi maior

Discussões bizantinas à parte, nenhum jogador de futebol jamais encarnou tão fielmente o espírito de seu povo e de sua cidade quanto ele

De Paris (França)

O futebol em 2020 saiu de meu radar. Aliás, num ano deplorável como foi este, o que pode ter sobrado de pé? Um pouco de política internacional e muito de concertação científica em torno das pautas sanitárias. E, no entanto, na esteira da morte do apresentador Fernando Vanucci, vinha pensando esta semana em como os jogadores encarnam o espírito de seu tempo, a Zeitgeist da linguagem filosófica, e seus países de origem.

Estando na França há tantos meses, dizia a um amigo que mais do que Platini, achava que Zidane simbolizava bem o país. Elegante, mortal quando os fatores estão alinhados em seu favor, toda componente cerebral podia se desfazer em segundos, como aconteceu naquela final de Copa contra a Itália em que ele foi expulso. O espírito gaulês râleur e o sangue magrebino faziam dele uma caricatura bem-acabada do time nacional.

No caso do Brasil, mais do que Pelé, acho que Garrincha encarnava o espírito individualista e indômito de nossa gente, o dos índios fulniôs de Águas Belas, Pernambuco, de que descendia. A aversão ao treino, a indisciplina, o gosto inebriante pelo improviso, o olhar simplório sobre o mundo, a escolaridade precária, enfim, tudo isso se somava a fazer de Mané a mistura perfeita do divino com a bola nos pés e do profano na vida extracampo.

E assim podíamos falar de Pirlo para a Itália, ou de Gianluigi Buffon. Do Kaiser Beckenbauer cuja altivez era a cara do Mannschaft. De George Best, já referido aqui em AMANHÃ, quando tracei o perfil dos boêmios da bola. O catalanismo do Barcelona é bem representado por Carles Pujol e Raul foi a cara da Fúria. Higuita foi a Colômbia de Escobar na maior defesa de todos os tempos. Mas hoje não é deles que quero falar, senão de Dom Diego.

Sim, Maradona está morto.

Discussões bizantinas à parte, nenhum jogador de futebol jamais encarnou tão fielmente o espírito de seu povo e de sua cidade quanto ele. Maradona foi arte pura, milonga e cambalacho. Pelos seus pés falava a Argentina eternamente órfã de ídolos, a nação irremediavelmente marcada pela tragédia do populismo, a arte feita malandra. Maradona era o próprio carteirista da Boca, o vigarista de Caminito, o virtuose de San Telmo. Maradona era seu povo.

Ninguém desencadeou tanta paixão quanto ele. Ninguém foi tão apupado, traído e apedrejado quanto ele próprio em seu país. Talvez só Borges, mas aí falamos de outra esfera. Politicamente perdido, mercurial até a medula, dado à bravata e à generosidade, conheceu o céu e o inferno. Nápoles levou-o a uma espécie de paraíso terrestre, mas as cravelhas da Máfia o destruíram por dentro. Epítome de uma Evita feita homem, Maradona tinha mesmo de morrer cedo.

Não há discussão mais ridícula do que levá-lo a uma balança com Pelé, Garrincha, Di Stéfano e Messi para que se meça quem foi maior. O que fica para mim são suas jogadas de ousadia suprema, a genialidade de sua visão de jogo e aquela obstinação em se levantar, encarar o zagueiro, relevar a deslealdade e responder com a bola. Estupendo jogador, desafiou até as leis da Física. Paris, eu e o mundo estamos tristes com sua partida.

Se pudesse, o beijaria em agradecimento. Obrigado, Dieguito, até pelas vezes em que você foi nosso algoz. Buenos Aires te deve um tango à altura.

Similares

Advertisment

Popular

O ar que me falta

Três razões tornaram a leitura do livro de Luiz Schwarcz uma experiência fulminante

BC estende acordo com Fed até fim de setembro

Contrato especial de swap vigorará por mais seis meses

Governo do RS divulga os primeiros vencedores do edital Techfuturo

Programa investirá R$ 5,6 milhões em 37 iniciativas