Marte é o limite?

O gigante asiático quer se tornar a maior potência científica e tecnológica do mundo em 2050

Com a chegada da sonda Tianwen-1 no planeta vermelho, muita gente se deu conta que a China já é uma grande potência científica

Muita gente deve ter se espantado, em 1988, com a assinatura pelo governo brasileiro, do acordo técnico-científico Cbers (China-Brazil Earth Resources Satellite), entre o Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (INPE) e a Academia Chinesa de Tecnologia Espacial (CAST), para o envio para a atmosfera de satélites produzidos pelo Brasil, utilizando foguetes chineses. Os satélites do INPE geram grande quantidade de imagens do espaço brasileiro, permitindo o monitoramento ambiental (desmatamento e queimadas no Pantanal, Cerrado e Amazônia) e da agropecuária.

O espanto na época com o Cbers deveu-se mais ao desconhecimento do avanço chinês no setor aeroespacial, do que pelo acordo ousado entre os dois países. Agora, com a chegada em Marte da sonda Tianwen-1, dia 15 de maio, muita gente se deu conta que a China já é uma grande potência científica, tecnológica e de inovação, apesar dessa característica do país ser pouco conhecida no Brasil.

Felizmente, o Sindicato dos Engenheiros do Rio de Janeiro tomou a iniciativa de publicar o Relatório Geral Estratégico, da Academia Chinesa de Ciências (ACC): “Ciência e Tecnologia na China: um trajeto até 2050”, lançado em fevereiro de 2021. Fundada em 1949, a ACC é responsável por consultoria para a tomada nacional de decisões que levem à liderança no desenvolvimento de Ciência & Tecnologia (C&T). A instituição promove pesquisa básica e levantamentos nacionais de recursos naturais e meio ambiente, executa projetos governamentais relacionados a C&T e mantém o governo central atualizado a respeito do setor.

Com 168 páginas, o alentado relatório apresenta uma panorâmica da trajetória da modernização industrial da China até 2050, com a pretendida revolução chinesa em Ciência, Tecnologia e Inovação, nas 18 áreas que a ACC definiu, em 2009, como prioritárias: energia; recursos hídricos; recursos minerais; recursos marinhos; óleo e gás; população e saúde; agricultura; meio ambiente; biomassa; desenvolvimento regional; espaço sideral; informação; manufatura avançada; materiais avançados; nanociência; instalações de alta ciência; pesquisa interdisciplinar e de fronteiras científicas; e segurança nacional e pública.

Quem acompanha esse setor na China terá um bom quadro do que está acontecendo e o que será feito nos próximos anos para a modernização do país, visando torná-lo a maior potência científica e tecnológica do mundo em 2050. Além do relatório, é importante agregar a esse quadro sobre a Ciência, Tecnologia e Inovação na China a evolução do país nos principais indicadores de competitividade e de inovação. Nesse aspecto em particular, o Global Innovation Index 2020, revela a China em 1º lugar (e o Brasil em 12º) no grupo de países de média-alta renda e 14º lugar no ranking geral. E Hong Kong em 11º lugar no grupo de alta renda. O cluster Shenzen-Guangzhou-Hong Kong aparece na segunda posição, à frente dos de Seoul (3º) e de Beijing (4º). Produzido pela World Intellectual Property Organization (WIPO), em parceria com outras entidades, inclusive as confederações nacionais da indústria da Índia e do Brasil (CNI), esse estudo sobre 2020 é uma publicação de 448 páginas, com análises e dados muito importantes sobre o que está acontecendo na inovação mundial.

Similares

Advertisment

Popular

UEM desenvolve software que detecta vírus em três segundos

Tecnologia inédita no mundo pode ser usada em massa O aparelho, que cabe na palma da mão,...

Atividade econômica de Santa Catarina cresce 0,56%

O resultado foi o terceiro melhor do país Santa Catarina mostra uma recuperação mais consistente do que...

Sul concentra mais de um terço das agtechs do Brasil

País possui quase 300 startups de tecnologia agropecuária Na região, o Rio Grande do Sul tem o maior...