De smartphones a panelas elétricas de arroz: quem tem medo da Xiaomi?

Gigante chinesa passou a Apple no ranking global de smartphones e construiu rede de startups para explorar novos mercados

“Todo mundo tem uma vida melhor com a inovação. E é isso que a gente busca com os nossos produtos”, ressaltou Xiang Wang na Web Summit

Para muitas companhias chinesas, agir com discrição e sigilo é uma regra. Por isso, são raras as oportunidades como a coletiva de imprensa que o presidente da Xiaomi, Xiang Wang, concedeu durante o último dia da Web Summit 2020. A exceção talvez tenha ocorrido porque a gigante asiática tem muito a comemorar neste fim de ano: pela primeira vez, ela alcançou o terceiro lugar de vendas globais de smartphones em um trimestre, superando a Apple.

O topo do ranking demonstra o domínio oriental do mercado: a líder absoluta Samsung, da Coreia do Sul, é seguida pela também chinesa Huawei. Há motivos para temer essa supremacia? O sorridente executivo da Xiaomi demonstra o contrário: ao longo da entrevista, ele mencionou parcerias com as norte-americanas Google e Microsoft e abertura ao diálogo com o ocidente.

“Todo mundo tem uma vida melhor com a inovação. E é isso que a gente busca com os nossos produtos”, ressaltou. Aliás, a abrangência do portfólio vai muito além do mercado de smartphones. A empresa tem uma gama de produtos gigantesca, desenvolvida em parceria com startups de diversos países. O próprio Wang disse ser usuário de muitos deles. O preferido? Uma panela elétrica de arroz. “Ela avalia a umidade do local e lê receitas que ficam na nuvem”, contou.

A Xiaomi mantém a produção de seu core business: smartphones, smart TVs, tablets, entre outros itens. Todo o resto é desenvolvido por um ecossistema de 300 companhias. “Somos hoje uma das maiores incubadoras de projetos na China, mas não estamos só ali. Temos projetos em Singapura e diversos países europeus”, disse. Após a definição do produto, cabe à gigante chinesa a parte de design industrial e, em alguns casos, a gestão de suprimentos.

Críticas à privacidade de usuários
Wang não se furtou a responder perguntas com teor mais crítico. Mas foi sucinto. Quando questionado se era verdade que a empresa fornecia dados de usuários, negou: “Nós não fazemos isso, no meu ponto de vista”. Mencionou ainda o General Data Protection Regulation (que pode ser traduzido como “Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados”), normativa europeia sobre o tema, afirmando que eles seguem “regras semelhantes”.

Uma possível incursão na indústria automotiva foi mencionada. Mas, por enquanto, nada de carros elétricos para competir com a Tesla: a chinesa está focada em scooters para países da Europa. Aliás, o mercado ocidental parece ainda restrito ao Velho Continente para a Xiaomi. Além de não mencionar países latino-americanos, Wang não falou sobre os consumidores dos Estados Unidos — que recebem apenas uma pequena seleção de acessórios da companhia. Os smartphones ainda não chegaram lá, e isso não parece estar nos planos chineses.

Para o futuro, a Xiaomi parece ter uma definição clara: seguir buscando inovações, sejam quais forem os setores. E a chave para isso não é contratar engenheiros — mas, sim, estimular o ecossistema tecnológico ao seu entorno. Se alguém ainda tem medo da competição chinesa, a melhor forma de enfrentá-la é aprender com os seus acertos.

*O Grupo AMANHÃ está presente em mais uma edição da Web Summit. A curadoria da cobertura tem a assinatura da BriviaDez com geração de conteúdo da Critério — Resultado em Opinião Pública.

Similares

Advertisment

Popular

O ar que me falta

Três razões tornaram a leitura do livro de Luiz Schwarcz uma experiência fulminante

BC estende acordo com Fed até fim de setembro

Contrato especial de swap vigorará por mais seis meses

Governo do RS divulga os primeiros vencedores do edital Techfuturo

Programa investirá R$ 5,6 milhões em 37 iniciativas