Desafios de infraestrutura para conectividade vão além do 5G

Plenária do Smart City Session reúne especialistas em debate sobre como as PPPs podem fomentar a universalização da conectividade nas cidades brasileiras

A exclusão digital deve ser levada em consideração quando se fala em políticas públicas e investimentos privados: brasileiros que não têm acesso hoje, continuarão sem acesso quando o 5G for implantado

Quais os principais atributos de uma cidade inteligente? Para o especialista Mauricio Casotti, gerente de desenvolvimento de negócios e diretor de inovação do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPQD), de Campinas (SP), a lista começa pelo aumento do ritmo de entrega de resultados em sustentabilidade social, econômica e ambiental. “Uma smart city é aquela que responde a desafios recorrentes, como mudança climática, crescimento populacional e instabilidade política e econômica, mas também ao seu panorama local e regional. Para isso, envolve a sociedade, aplica liderança colaborativa, sistemas urbanos e utiliza dados de informação e comunicação”, enfatizou na plenária on-line “Pós Covid: O desafio das insfraestruturas urbanas em um cenário de conectividade”, realizada no primeiro dia do Smart City Session.

O painel contou ainda com a arquiteta e urbanista Larissa Paredes Muse, líder do Comitê de Marketing na Comunidade IEEE Smart Cities, em Atlanta (EUA); com Edelvicio Souza Junior, engenheiro eletrônico e professor da Fundação Dom Cabral (FDC); e com a mediação de Sandro Vieira, CEO da Smartgreen Desenvolvimento de Tecnologia.

“As entidades do Sistema S, as concessionárias e bancos também podem ser protagonistas nos investimentos de soluções de smart cities, não apenas nas cidades grandes, mas tentando minimizar as discrepâncias regionais que temos. Se houver mais união, o fomento e as parcerias vão se efetivar. Afinal o setor privado também precisa dessa rentabilidade nos negócios a que se propõe investir”, ressaltou Larissa, após apresentar o case do Centro de Operações do Rio de Janeiro.

Já o professor Souza destacou que os desafios de infraestrutura urbana para melhorar a conectividade no Brasil vão além da chegada do 5G. “É evidente que o 5G vai trazer benefícios enormes para a sociedade, mas ele é uma ferramenta, um meio e não um fim. A exclusão digital deve ser levada em consideração quando se fala em políticas públicas e investimentos privados: brasileiros que não têm acesso hoje, continuarão sem acesso quando o 5G for implantado. Existem outras alternativas e o 5G não será a solução de todos nossos problemas.”

Similares

Advertisment

Popular

O ar que me falta

Três razões tornaram a leitura do livro de Luiz Schwarcz uma experiência fulminante

BC estende acordo com Fed até fim de setembro

Contrato especial de swap vigorará por mais seis meses

Governo do RS divulga os primeiros vencedores do edital Techfuturo

Programa investirá R$ 5,6 milhões em 37 iniciativas