Fapesc participa de cluster que desenvolverá inteligência artificial para navios

O grupo vai discutir diretrizes para criação e implantação de modelo no país

Santa Catarina, que conta hoje com um núcleo de produção naval, trabalha na construção de quatro corvetas

O Brasil quer entrar na corrida mundial para a produção de navios autônomos, geridos por inteligência artificial. A mudança de rota na indústria nacional será possível com a criação de um cluster que envolve empresas e entidades. Santa Catarina terá papel de destaque no desenvolvimento dessa nova tecnologia. Os primeiros passos foram dados nesta semana em uma reunião realizada virtualmente com a presença do ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marcos Pontes. Durante o encontro, ele admitiu o quanto o avanço desse tipo de tecnologia é inevitável. “O futuro está ligado à inteligência artificial. Cada vez mais teremos esses sistemas participando do nosso dia a dia, inclusive nos transportes”, afirmou.

Segundo o presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação de Santa Catarina (Fapesc), Fábio Zabot Holthausen, o Estado está na vanguarda com um ambiente favorável para desenvolvimento de inteligência artificial e da internet das coisas, que serão bases para a criação desses navios. “Temos uma excelente densidade de startups, criamos uma importante articulação entre governo, universidades e setor empresarial, fizemos importantes investimentos pela fundação e pelo Governo do Estado com a criação dos centros de inovação e conseguimos formar profissionais de excelência dentro de nossas universidades”, avaliou. Holthausen representou o governador de Santa Catarina Carlos Moisés no encontro.

A comitiva catarinense foi composta ainda por representantes da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de Santa Catarina (Senai SC), da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), da Weg, da Associação Catarinense de Tecnologia (Acate) e da Itajaí Participações. O Cluster Nacional de Inteligência Artificial para Navios será uma plataforma gratuita para fortalecer a produção de tecnologias e facilitar parcerias. O grupo de entidades e empresas vai discutir ainda as diretrizes para criação e implantação de modelo no país. A mudança poderá impactar não apenas o sistema de logística brasileiro como também as estratégias de defesa nacional.

Santa Catarina, que conta hoje com um núcleo de produção naval, trabalha na construção de quatro corvetas. O Estado tem condições de ampliar esse mercado caso as decisões do cluster resultem na ampliação da indústria nacional. A Fapesc vai contribuir nesse contexto com a formação de recursos humanos e incentivo a novas pesquisas em Santa Catarina.

Similares

Advertisment

Popular

Confiança da indústria está maior em maio

A alta encerrou um ciclo de quatro quedas consecutivas CNI também nota otimismo mais disseminado entre os diversos...

Senado aprova caráter permanente do Pronampe

Programa concede crédito a empresas de pequeno porte A demanda é significativa a ponto de os recursos reservados...

Setor de serviços cai 4% em março

Resultado volta a ficar abaixo do patamar pré-pandemia Serviços prestados às famílias caíram 27% em março O setor...